terça-feira, 27 de julho de 2010

o Inferno feito arte

Crédito imagem: Expresso on-line

Os fogos que surgem no Verão são assustadores, causam enormes prejuízos e até vítimas mortais. Mas esta imagem é de uma rara beleza. O que dá para pensar...

9 comentários:

Anónimo disse...

Como fotografia é bonita.
Quanto ao conteúdo é um horror!|

E o pior é que a maioria dos incêndios resulta de fogo posto, por isso a única coisa que me dá para pensar é que é criminoso!!, e, por isso, totalmente condenável.
Quantas vidas humanas se perdem e quantos desastres ecológicos acontecem?!

Catarina

Virginia disse...

Concordo com a Catarina...até aqui chega o fumo das serras aqui do Norte e aflige-nos a ideia duam paisagem protegida a arder. São criminosos, mas também desesperados, que infelizmente há muitos neste momento.

na Sertã onde vivi havia loucos que punham fogo aos pinheiros para diversão. O meu marido prendeu alguns.

Filipe Snr disse...

.
Neste preciso momento 20 fogos estão ainda 'vivos'. Para além dos danos que causam quando activos, as suas sequelas estendem-se por anos.

E depois, as gentes mais abnegadas que há no mundo, os Bombeiros, vivem com dificuldaes extremas, sobretudo de ordem financeira que os inibe de poder ter o material mínimo necessário, e de poderem dar a resposta que eles tanto gostariam de dar.

Mário disse...

Os incêndios (e os fogos em geral) atemorizam-me. Acho que correspondem a uma antevisão do Inferno.

Pod umas vezes ardeu-me a casa onde morava, e para lá do momento, a desolação , o cheiro, as madeiras calcinadas, o lixo... tudo... é confrangedor.

Os incêndios florestais, que são fogo posto em mais de 80% segundo as estatísticas dos bombeiros e da polícia, são devastadores e perigosos.

Os bombeiros são pessoas de uma abnegação incrivel que, infelizmente, é pouco reconhecida. Quase todas as vilas e aldeias têm bombeiros e agremiações de bombeiros, que além de combater o fogo apoiam doentes, têm actividades lúdicas, excelentes bandas... como o Filipe escreve, quase sem apoio a não ser o das populações e das autarquias.

Mas os incêndios são tão bizarros que, em pleno mês de Novembro, em 2007, mataram o Zé Abreu, um amigo nosso, que os combatia de helicóptero.

E ainda dizem que há Deus!

Susete disse...

Concordo com tudo o que disse menos com a última frase: "E ainda dizem que há Deus!". Claro que há.

Já pensou se era o destino do seu amigo morrer a praticar um acto tão nobre?

Susete

Mário disse...

A fé é coisa que não se discute, porque se tem ou não. Mas como racionalista que sou, acho que os deuses são uma invenção humana para colmatar o dilema de querer alcançar o infinito, o que exigiria ser eterno, numa vida temporalmente muito curta. Já viu que todas as religiões prometem a vida eterna? Caso não o fizessem não teriam adeptos.

De qualquer forma, se o destino foi nobre, não sei se essa explicação chega à mulher e ao filho que, na altura, tinha 8 meses. Crescer sem pai é um destino muito trágico, e Deus podia ter dado uma ajuda ao Zé quando o helicóptero começou a inclinar-se... bastava ter mudado um pouco a força do vento... não é Ele omnipotente? Nós é que não...

Anónimo disse...

Creio que o nosso destino está traçado desde que nascemos, e a nossa hora da morte acontecerá quando tiver mesmo que acontecer.
Por alguma razão é que já estive em verdadeiro perigo de vida, incluindo, estado de coma, por duas vezes, e ainda cá estou. é porque ainda não era a minha hora!
Concerteza a hora do Zé foi mesmo aquela, e por muito que custe aos que ficam cá, o facto é que não podemos viver para sempre e um dia, mais cedo ou mais tarde, a nossa hora chegará.
Agora acho que isto tudo nada tem a ver com Deus. Não é ele que é responsável por andarmos cá mais ou menos tempo. E temos, infelizmente e com muita dor, que aceitar a morte como o terminus natural da vida. Principalmente em relação àqueles que amámos em vida.
Fica a dor muito forte da ausência, atenuada e acalmada pelas memórias.
É assim que penso, e é assim que vejo, por isso, como nunca sabemos se estaremos cá no dia de amanhã, o melhor mesmo é aproveitar MUITO BEM, o dia de hoje.
Obrigada, Querido, por te teres lembrado do Zé!

Catarina

Virginia disse...

Também não me parece que Deus exista como a Igreja O apresenta, Deus é para mim toda a Natureza, tudo o que nos rodeia, tudo o que é Belo.
O Homem tem tanto de bom como de maligno e é muito vulnerável, embora se julgue quase invencível.

A Catarina tem razão; na incerteza, façamos dos nossos dias momentos inesquecíveis e de generosidade para com quem nos rodeia. Deixemos uma mensagem de esperança e de fé nas nossas capacidades.

Os Bombeiros em Chaves eram uma instituição indispensável, as crianças adoravam as marchas ao Domingo, vestidas de majorettes, a comandar a Banda que alegrava as ruas da cidade.

Susete disse...

Para mim Deus está acima de qualquer religião ou crença.

Tenho felizmente bons exemplos de muitos amigos e conhecidos que não acreditam na religião no geral e em Deus em particular e são excelentes pessoas. Atrevo-me a dizer melhor que muitos que frequentam as “Igrejas”.
O Dr. é um bom exemplo disso.

Para mim o mais importante é amar o Outro e amarmos a nós mesmos e ainda saber Perdoar.
Percebo muito bem a revolta e a dor sentida por todos os familiares e amigos do seu amigo Zé.

Este assunto dava para um conversa bem animada e ao vivo. Como isso não é possível deixo apenas um carinho à família pela perca do seu ente querido e votos de força, coragem e carinho a todos os que nestes dias combatem os incêndios do nosso país.

Porque o mais importante é Amar Amar Amar…

Susete