sexta-feira, 23 de abril de 2010

um livro por uma rosa! Por São Jorge!

Hoje é o Dia de São Jorge, no qual se comemora a morte de Jorge de Capadocia, no dia 23 de abril de 303.

Padroeiro de diversos países, entre eles Portugal, São Jorge é o patrono dos escoteiros (este é o Dia do Escoteiro) e, neste dia, também se comemora o Dia do Livro.

Na Catalunha, é tradição os homens oferecerem uma rosa às mulheres, e estas um livro a eles. E isto porque havia um dragão, mau e sinistro, que exigia devorar uma pessoa por dia para manter a paz com os restantes cidadãos. Todos os dias era sorteada uma pessoa para o sacrifício. Um dia, foi uma princesa a sorteada e apesar de muitos se oferecerem para a substituir, ela avançou para a cova do dragão. Quando este estava quase a devorá-la, apareceu São Jorge que matou o dragão e a salvou, cravando-lhe a espada no coração. Do sangue do dragão nasceu uma rosa.




Ofereçam livros e rosas: neste dia: além de participarem no cumprimento de uma tradição, é bonito e sabe bem!

10 comentários:

Susete disse...

Vivam os livros, sejam em papel ou noutro formato.
Viva o prazer de ler e de ouvir ler.

Viva o Dia do Livro,
Susete

sofia wahnon disse...

Há lá dia mais belo do que este?! Livros e Rosas, que maravilha! É um dia de civismo, de cultura e de respeito entre tod@s, sendo ainda prestada homenagem à obra de grandes escritores, como Shakespeare e Cervantes, que desapareceram justamente no dia 23 de Abril, entre outros nomes da literatura mundial, por incrível que pareça.
Abril é pois um mês para celebrar: S. Jorge, santo padroeiro da Catalunha e de LX; a Rosa, símbolo do Amor (e já agora, o Cravo símbolo da Liberdade) e o Livro, símbolo da Cultura.
Na verdade, Abril é um mês perigoso: dia 2 foi o Dia Internacional do Livro Infantil, hoje é Dia Mundial do Livro e já no próximo dia 29 iniciará a 80º Feira do Livro de Lisboa.
A carteira é que vai pagar, claro...

Elisete disse...

Respondo-lhe neste post porque cheguei atrasada para responder no outro.
1. Não rotulo pessoas, católicas ou não, com nenhum tipo de rótulo. A única pessoa que conheço suficientemente bem para rotular chama-se Elisete Lobo. Essa está toda cheia de rótulos, uns agradáveis, outros (muitos) nem tanto;
2. O facto de eu ter dito que fez ataques não significa que o considere um “atacante”. Se eu tivesse dito que faz ataques sistemáticos à IC ou a qq outra instituição ou indivíduo, então sim, poderia dizer que o estava a rotular de “atacante”. Além disso, se o considerasse um “atacante” não vinha todos os dias ao seu blogue e não perdia tempo a fazer comentários;
3. Lembro-lhe, contudo, que o Sr. Dr. permitiu que num dos seus posts se rotulasse os Católicos de fanáticos. Digo “permitiu” pq não fez qq tipo de comentário a isso. Eu tb n o fiz.
4. Claro que nenhuma instituição está acima da crítica e eu sou a primeira a criticar a IC carregada de defeitos e a afastar-se cada vez mais do que lhe deu origem. (Não gosto deste Papa e não irei assistir a nenhuma Missa rezada por ele, mas fui assistir à Missa rezada pelo anterior Papa);
5. Faça-me o favor de pensar que tb eu considero a pedofilia abjecta e que quem a pratica não tem perdão (como vê apesar de ser Católica, não o sou o suficiente para conseguir perdoar o próximo, sou até a favor da pena de morte). Mas pedófilos não há só na IC. Haverá em qualquer instituição (igreja, famílias, etc.) onde as crianças estejam desprotegidas. E como muito bem sabe, não é só na IC q as situações são encobertas. Quantos casos não conhece onde a própria Mãe (Pai) não revela estas situações? E, no limite, os nossos Pais são o nosso último reduto, não é?
6. Enfim, só quis dizer que achei que dedicou demasiado tempo ao assunto (gravíssimo, é certo) quando há outros que gostaria de ver no seu blogue que eu tanto aprecio;
7. Termino da seguinte forma: o Sr. Dr. pode não se rever em nenhuma Igreja mas eu até o consigo rever como Católico no sentido em que, na minha opinião, rege a sua vida de acordo com os princípios que deveriam ser tb os dos verdadeiros Católicos. Para mim, isso é qb.

sofia costa disse...

Opa, Opa!!
Eu utilizei a expresão "fanáticos católicos" sim! E qual é o problema nisso? Liberdade de expressão, minha senhora! Acho que ainda vai existindo por cá, talvez por pouco tempo, sim!

Fanatismo
nome masculino
1.fé exclusiva numa religião, doutrina ou ideologia
2.intolerância
3.sectarismo; facciosismo
4.culto excessivo de alguém ou de alguma coisa; dedicação excessiva
(Do fr. fanatisme, «id.»)
in Infopedia.pt

No caso específico em que usei essa expressão referia-me ao ponto 4.

Mário disse...

Elisete
Há católicos fanáticos como judeus, muçulmanos ou budistas (ou... o que quiser). E permito todos os comentários, menos os insultos pessoais ou linguagem imprópria. E há católicos fanáticos, mesmo que bem educados, como o caso do João César das Neves.
Nem todos os católicos são fanáticos (muito poucos o são), nem todos os fanáticos são católicos. Mas que os há, é verdade. E o silêncio deste Papa, antes de o ser (mesmo que não se venha aprovar que mandou esconder documentos incriminatórios, o quer será já crime), e todo a postura, velha, bafienta, desfasada, intolerante, faz-me urticária.
Aliás, o argumento de que "em todas as profissões há pedófilos" não colhe: a Igreja não é uma instituição com profissionais como os CTT ou o Hospital de Santa Maria. Arroga-se "estar perto de Deus", ser sua representante e, mais. os católicos acreditam na infabilidade do Papa. Se os católicos não aceitam os dogmas, então não o são.
Nada me move contra cada católico, mas acho que o papel da Igreja Católica, ao longo dos séculos, se teve muitas acções concretas boas por parte dos seus elementos, foi muito má em termos da sua cúpula: diga-me uma coisa fantástica que o Vaticano tenha feito, marcando o mundo de forma positiva (não me refiro a padres ou congregações, mas ao papado...)?
Desde a Inquisição ao silêncio perante o nazismo, valeu de tudo (ressalve-se o papado de João XXIII e a tentantiva do Concílio Vaticano II, que foi depois sufocada pelo sucessor, Paulo VI).
Para terminar, ainda me lembro de duas digressões africanas de papas: uma para inaugurar uma réplica da Basílica de São Pedro em plena selva, creio que da Costa do marfim, a outra para, em plena epidemia HIV, condenar o uso do eprservativo.
Aliás, se o Papa é infalível e o representante de Deus, os católicos não deveriam por exemplo tomar medidas anticoncepcionais à excepção dos métodos naturais...

Pedro Cordeiro disse...

Grande dia... quer pelos livros quer pelas rosas. Beijinhos ibéricos!

Virginia disse...

Por pouco tinha-o passado na Inglaterra, onde já haviam muitas rosas em lojas a lembrar o seu santo padroeiro. Nós devemos ter adoptado o mesmo santo por imitação ou por influência dos primeiros reis, não sei.

Gosto muito do santo, mas essa de derrotar dragões não me caiu lá muito bem:((

Mário disse...

Aqui está um regresso de um Rosa que já fazia falta! A rose from England!.
Quanto aos dragões, foi São Jorge Jesus (este apelido é para agradar à Elisete...) quem os derrotou... acho... creio eu de que...

Mário disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sofia costa disse...

Do sangue de um Dragão só podia sair algo tão bonito como uma rosa!
:)