segunda-feira, 4 de agosto de 2008

a verdade da mentira

Olá. Desapareci em 1578, num dia 4 de Agosto, fazia uma caloraça em Alcácer, mas a piscina da pousada estava à sombra.

Não me procuraram com cães pisteiros nem provaram que algum mouro me tivesse raptado - apesar de jovenzinho, os infiéis preferiam os ainda mais novinhos. Também não se provou que, apesar de abandonado numa guerra, me tivessse acontecido um acidente e os meus pais ocultassem o meu cadáver.

Assim, tenciono voltar, num qualquer dia de nevoeiro, quanto mais não seja porque a História de um país não pode ter flops como eu, ou o descrédito toma conta da estrutura psicológica do povo. Só se admitem as Brites de Aljubarrota, reis que peguem em espadas de 500 kg, e gestas épicas e heróicas. Mas eu vou voltar... pelo menos logo que os candidatos a Dom Sebastião sumam da política portuguesa...


Pintura de Cristóvão de Moraes

2 comentários:

virginia disse...

Houve uma manhã de nevoeiro na Luz, em que me pareceu ver o menino rei por ali, mas afinal era o do Cutileiro, que tinha vindo ver o locaL onde a Maddie desapareceu...:))

Anónimo disse...

Leiam o livro "A batalha dos Três Reis" de Younés Nekrouf sobre D. Sebastião, é muito interessante.