terça-feira, 4 de novembro de 2008

Obama! Obama! Obama! Obama! Obama! Obama!

Num dia em que a quase totalidade dos blogues menciona as eleições nos EUA, não creio ser demais repetir: "Yes, he can!" e acrescentar: "I hope he makes it!".

Se Obama ganhar ficarei muito, mas mesmo muito feliz. Porque creio ser uma janela única de oportunidade, não apenas para os EUA mas para o mundo em geral.

A propósito: sabem porque é que as eleições são amanhã, terça? É que há não sei quantas décadas se convencionou serem a uma terça, para permitir que as pessoas se deslocassem e pudessem votar sem perturbar o domingo, dia do Senhor, atendendo a que as mesas de voto eram muito longe. Por outro lado, para não perturbar o feriado de dia 1 de Novembro, e como este poderia ser numa terça, a lei determina que as eleições tenham lugar "na primeira terça depois da primeira segunda de Novembro". Portanto, sempre entre 2 e 8 de Novembro.

7 comentários:

Virginia disse...

A América é tão controversa - mesmo nas suas reacções políticas e imagem externa - que só quando vir os números no écran é que acredito.

Obama tem um peso enorme contra si, o facto de ter vencido uma mulher muito "querida" dos Democratas e por outro, o facto de ser negro.Estou a ouvir o Pros e Contras e um negro está tb a dizer que a raça vai ser determinante porque os americanos são racistas, mesmo quando dizem que não.

Espero além do mais que as eleições sejam limpas e que arrasem os bushes para sempre.

O programa está a ser muito bom. Aparece o Pedro Rebelo de Sousa, teu colega e meu aluno. Que senhor!!!:))

joaopedrosantos disse...

Já é altura de alguém inteligente governar a América!

Para além de ser uma lufada de ar fresco na política externa e alguém que parece disposto a dar uma oportunidade a todos, acredito que também Wall Street revirá em alta, caso ele chegue à Casa Branca. É preciso lembrar que as pessoas que não têm "small town values" votarão em massa nele.

Pat disse...

Depois de ler, apenas me resta concordar e, dada a hora, ter o prazer de poder acrescentar:
OH YEAH! HE MADE IT!!

Uffffffffffffffffffff :D

Virginia disse...

Foi um momento histórico ...para mim que estudei a história dos EU a fundo...há 50 anos ainda os negros tinham de ocupar os lugares na parte detrás dos autocarros, usar casas de banho separadas, cantinas diferentes, desempenhar tarefas infeiores e viver em casas desumanas...

O sonho de King realizou-se...ou pelo menos deu um grande salto. Se tivesse aulas, amanhã, levaria o discurso de L. King e o de Obama, ouviríamos os dois e comentáriamos as eleições. Seria uma aula improvisada , mas que teria impacto nos jovens - que precisam de perceber o que consciência cívica e intervenção pessoal para se conseguir atingir os objectivos.

Bom, são horas de dormir....
Foi bom assistir a todo este processo com os meus dois filhos - um pró-Obama, o mais velho... outro pró McCain, o mais novo ( água e vinho).

E agora, Obama?

Catarina disse...

Parabéns, Obama!!
Fiquei muito, mas mesmo muito feliz com a tua vitória.
Também eu acredito na mudança e num mundo melhor com solidariedade, dedicação, empenho, trabalho e sacrifício, para que tal seja possível.

Catarina

Mário disse...

Sacrifício. E muito.
Mas é um Homem irrepreensível. Que todos, porventura, gostaríamos de ser. Fisica e intelectualmente. Digno. Sem mácula. Feliz. Convicto, Escolhendo os caminhos mais difíceis com a convicção dos ideais que, porventura, se alcançam. O sonho feito realidade.
Sou um fã. Ai, Olof Palme, que corres o risco de ser destronado...

Virginia disse...

Também. Sobretudo fico muda diante de tantas palavras certas, expectante diante de tanta clarividência, comovida perante tanto desejo de progresso, pasmada diante de tanta simplicidade e paz interior.

Lembro-me de dar a ouvir aos meus alunos o discurso I have a Dream e a voz de King soava na sala de aula e entrava no peito dos meus alunos, que por vezes, choravam, ao ouvi-lo. Durante minutos não conseguia dizer nada, só havia silêncio. Obama cria em mim as mesmas sensações.

Era bom ser professor nessa altura.Era óptimo ser professor quando ainda havia lugar para o sonho.

Não perdoo a esta ministra e seus sequazes terem roubado à Escola o que ela tinha de dádiva, de momentos sublimes, de verdadeira aprendizagem para a educação.

Não lhe perddo ter transformado as escolas publicas em locais de tortura de alunos e professores.

Rezo para que políticos assim desapareçam quanto antes.

Já fizeram demasiados estragos.


BASTA!