sábado, 8 de maio de 2010

Bailinho do Anónimo (folclore tradicional lusitano)

Talvez se chame João
Talvez se chama Jerónimo
Mas é um grande poltrão
E assina como "Anónimo".

Aparece aqui na net
Como uma malapata
Com o seu cheiro de retrete
De esterco de longa data.

Arre-burro, arre-burro
Para a Quinta da Marinha
Começa a cheirar a esturro
E não provém da cozinha.

Não tens graça, és sebento
A armar em "puto-reguila"
Anónimo: vai-te com o vento
E deixa a malta tranquila.

2 comentários:

Raul e Joel Carvalho disse...

Divulgação ddo Blog Noticias Humuristicas. Já temos fãs, com pouco mais de 1 dia.

http://noticiasanctuanlizadas.blogspot.com/

Filipe Snr disse...

Estou contigo. Só os cobardes e fracos de espírito se refugiam atrás da anonimidade. Abaixo os Anónimos!