terça-feira, 11 de maio de 2010

novas trovas portuguesas ou "O Inferno somos nós".


Pergunto ao Bento que passa
notícias do meu petiz
e o Bento cala a desgraça
o Bento nada me diz.

Hoje é dia de Missa no Terreiro do Paço. Há tolerância de ponto. As escolas fecharam. Os serviços de saúde estão a um quarto-de-gás. Mesmo quem quer trabalhar ou não tem direito a folga vai ter de se esgadanhar para vencer o caos do trânsito, além de ter de levar os filhos para o emprego.
 
 
Agora sim, as agências de rating têm razão para actuar, porque um país que se dá a estes luxos está mesmo obnubilado. Por artes do demo (só pode ser), os hotéis do Algarve estão reservados em pleno para a noite de dia 13, quinta-feira.
 
"Porque será'", como diria o Jardel...
 
Nunca como hoje merecemos estar nos PIGS. E que não se levantem já vozes de "herege" ou "anticlerical" - o sufoco que quem quer criticar a Igreja vive é grande. "Portugal é Católico" por default (já agora: o que é que é ser católico? Ir à missa? Comungar? Confessar-se? Não usar outros métodos anticoncepticos que não o das temperaturas? É que já não sei, francamente...) e como tal, pode dizer-se que o Dalai Lama é isto ou aquilo, que o Patriarca de Constantinopla aqueloutro ou que o Bispo Edir Macedo, da Igreja do Reino de Deus é ainda mais. Do Papa, nada. Sentem-se anticorpos. O Inferno somos nós!
 

16 comentários:

Sérgio disse...

Perfeitamente de acordo!
E nunca ninguém nos explicou porque é que o feriado abrange também os Açores... Será que nos vão pagar passagens para irmos ao Continente?
(Bom, mas se o Allgarve já está cheio então não levanto a minha...)

Mário disse...

Sérgio: se pagam aos deputados que "moram" nas Regiões, então talvez lhe paguem a si. Não se chama Medeiros????

Sérgio disse...

Não... que chatice! Nem Rodrigues, nem Gama, nem Amaral.
Ah, mas temos o problema das cinzas e os aeroportos estão fechados.
Nem o apelido me ia valer desta vez ... Acho eu!

sofia wahnon disse...

"Sufoco", sim, é mesmo a palavra…
Gostaria de ver o país mobilizado como vai estar nestes próximos dias mas para fazer face à crise. Acho incrível que o Governo fale de “tolerância o dia inteiro” (??) é escandaloso! Gostaria de dar aulas mas a minha escola vai estar fechada, como todas as escolas públicas do país, como todos os serviços ou praticamente. Normal seria que quem quisesse estar presente num evento da sua religião metesse um dia de férias. Só mesmo em Portugal.
Obrigada, dr. Mário, por não ter medo de falar do assunto…

Anónimo disse...

.
Filipe Snr diz:

Francamente, toda esta situação parece surrealista...

Numa altura em que há que 'apertar o cinto' (e piores tempos se advinham), gasta-se, na minha opinião, mais de cem milhões, repito, cem milhões de euros com a visita do Papa...

Não falo dos 200 mil que custou o altar/palanque do Terreiro do Paço que, ao que parece, foi pago com ofertas particulares (embora desconfie que a CML deu uma ajudinha...).
Refiro-me sim a
- custo do C130 que foi a Roma de propósito para trazer o Papamóvel e que o irá levar de volta (cerca de 7.000 euros por hora de vôo - mínimo 9 horas);
- custo dos dois F28 que escoltaram o avião da Alitália desde a fronteira e que repetirão a 'graça' na 6ª feira (cerca de 5.000 euros por hora de vôo);
- custo dos dois helicópteros que transportarão o Papa (cerca de 2.000 euros por hora de vôo a que se deve acrescentar 50.000 euros na reconversão do interior dos aparelhos);

mas, e sobretudo o custo por falta de produção dos servidores (!...) do estado durante as várias tolerâncias de ponto, por alto estimado em cerca de 40 milhões de euros a que se deverá adicionar outrotanto da não produção de todos aqueles que gostariam de trabalhar mas cujas actividades são prjudicadas pelas várias restrições impostas e impossibilidade de diálogo com todos os departamentos oficiais.

Se acrescentarmos todas as outras despesas com beneficiações, remodelações e obras desnecessárias fácilmente se atinje
ou ultrapassa o elevado montante que acima se refere e que talves pudesse, a não se esvair em fumo esta semana, evitar um aumento mais comedido do IVA ou a não redução tão falada dos subsídios de natal dos funcionários públicos.

Por outro lado, e dando de barato que Portugal é um país católico (tal com o autor do blog, pergunto-me o que é ser-se católico), o Papa sendo o chefe da Igreja Católica é também um chefe de estado pelo que as manifestações, fora das de teor pastoral, deveriam ser idênticas às que ocorreriam se, por exemplo, Barak Obama nos visitasse.

Filipe Snr

Mário disse...

Vá lá, o Papa, na sua entrevista no avião, referiu "os inimigos dentro da Igreja". É pena, contudo, esta linguagem sempre tão redonda, tão dúbia: porque não falar directamente da pedofilia, dos padres e bispos que são criminosos? A linguagem do vaticano é sibilina, afinal tão diferente da palavra de Cristo.
Depois, acho quase ofensivo para os católicos verdadeiros a colagem ao Papa de todo o bicho-careta, do Benfica à Câmara de Lisboa, e de todos os "católicos" que aproveitaram estes dias para se ausentarem, sem remorsos na consciência.

Mário disse...

Dom Januário Torgal Ferreira: uma voz porventura solitária, mas firme e directa. Parabéns!

Filipe Snr disse...

Só depois do meu post acima é que vi na TV que o Belenenses, Benfica e Sporting, os vclubes de Lisboa, tinham ido cumprimentar o Papa e oferecer coisas várias. Francamente...

Pergunto-me agora: será que o Pinto da Costa, irá à Praça dos Aliados, eventualmente acompanhado do Bruto Alves, do Mais Reles e do Hulk, para cumprimentar o Papa e oferecer-lhe um dragão em filigrana-?...

Anónimo disse...

Extraído de um artigo de Daniel Oliveira:

Hindus, muçulmanos, judeus, protestantes, ateus e agnósticos têm de arrajar quem fique com os seus filhos para que os católicos, num assunto que apenas a eles diz respeito, receberem o líder da sua Igreja. Hindus, muçulmanos, judeus, protestantes, ateus e agnósticos vão contribuir para as despesas de um dia sem funcionamento dos serviços do Estado para que os católicos, num assunto que apenas a eles diz respeito, receberem o líder da sua Igreja. Agradecia que alguém me explicasse porque sou eu obrigado a participar nos preparativos de uma celebração religiosa de uma igreja com a qual não tenho qualquer relação. Sou um feroz defensor da liberdade religiosa. Agradecia que respeitassem a minha liberdade de não ser religioso. Começando por não me obrigar a contribuir financeiramente e com o meu tempo para a vossa vida de crentes. Se querem ver o vosso Papa, tirem um dia de férias. Suponho que a força da fé vos chega para fazer esse sacrifício. Eu é que não tenho de fazer nenhum. Parece-me.

Filipe Snr disse...

.
Sou um seguidor do Daniel de Oliveira, quer nos seus artigos no jornal, quer nas suas intervenções no 'Eixo do Mal' (Clara Ferreira Alves + Daniel Oliveira + Luís Pedro Nunes + Nuno Artur Silva + Pedro Marques Lopes) aos sábados à meia noite na SicN. Só posso dizer que estou de acordo com ele.

Passando a outro assunto:

Sabiam que as visitas do Papa a Portugal são, geralmente, mau prenúncio para o clube da Cruz de Cristo. Efectivamente, de entre as quatro visitas de Papas ao nosso país, apenas numa ocasião o Belenenses se salvou da despromoção. Foi em 1999/2000.

Por ocasião da primeira visita do Papa João Paulo II, em 1982, o Belenenses acabaria por descer de divisão, num ano tumultuoso e em que conheceu, num só ano, quatro treinadores (desde Artur Jorge a Vicente Lucas, o irmão do famoso Matateu).

O mesmo se passou em 1990/91.

Dez anos depois da última visita papal a Portugal, o sucessor Bento XVI também não trouxe sorte aos 'Pastéis', ficando, igualmente, associado a uma nova descida de escalão. Ironia do destino, o presidente Viana de Carvalho ofereceu ontem uma camisola oficial dos azuis a Joseph Ratzinger...

Parece-me ser de concluir que, esperando que o Belenenses volte à 1ª Divisão na próxima temporada, deve-se banir as visitas papais de agora e para o futuro...

Mário disse...

Por outro lado, o Clube de Jesus foi campeão em 2005 e 2010, anos das visitas papais...

sofia wahnon disse...

das opium des Volkes.
Governo espertinho (e saloio) o nosso...

Mário disse...

Um artigo muito interessante que traz uma nova faceta a lume:

http://www.publico.pt/papaemportugal/Noticia/1436701

sofia wahnon disse...

Nem todo o povo assiste calado, basta ler a Petição dos Cidadãos pela Laicidade, dirigida ao Presidente da Répública.

Vale também a pena conferir "os números" públicos (ou do que deles se conseguiu saber)na reportagem da SIC, do Miguel Sousa Tavares.

disse...

ALLEZ! ALLEZ PAPA ALLEZ! ALLEZ PAPA, ALLEZ, ALLEZ PAPA ALLEZ, ALLEZ PAPA ALLEZ...............................................................................................VIVA O BENFICA! E O PAPA!

Virginia disse...

Bem podes engulir o que escreveste aqui, com o devido respeito, Mano Filipe.
Estive a ver as cerimónias no Porto e foram extremamente belas, sem luxos, nem polítiquices. O Rui Rio não foi perpspegar-se ao lado do Papa na janela da Câmara, o que só mostra a sua classe, nem nenhumjogador, adepto ou dirigente do FCP lhe foi lamber as botas. Pelo contrário, quem lá foi oferecer-lhe uma capa e uma guitarra portuguesa foram estudantes da Academia do Porto.

Fico contente. Não há colagens políticas aqui e a cidade Invicta continua a dar lições aos lisboetas, quer de civismo, quer de honestidade. A Praça dos Aliados não estava cheia, só lá foi quem acredita, não para fazer numero ou dizer que viu o Papa.
Grande cidade.