quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

ainda sobre a Amizade

A amizade
É como a poesia
Não sei se é realidade
Ou fantasia
Não sei se é ansiedade
Ou ironia

Não sei se é solidão
Ou companhia

Ou uma forma de magia,
Para dizer não
À realidade
E à monotonia


MC

11 comentários:

Anónimo disse...

Entrei por acaso... gostei!
Parabens!

Virginia disse...

Lido às 4 da manhã: gosto da expressão " forma de magia para fugir à monotonia".

Não será bem isto, a amizade é algo de mais profundo, mas soa bem na poesia e tem alguma verdade.

Anónimo disse...

A amizade quando é pura é genuína é mesmo realidade!
É mesmo companhia!
E também é, de facto, uma forma de magia, mas que conforta e acaricia!
Que nos protege, ampara e só nos beneficia!
Sortudos, como eu, os que a encontraram nos tumultos da vida!

Catarina

Anónimo disse...

Isto HÁ COISA!!!!!
Também eu acabei de escrever "algo" sobre a amizade. Abro o blog e vejo o seu poema!!


Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas tomem outro rumo, os amigos devem ser amigos para sempre,
mesmo que não tenham nada em comum, somente compartilhar as mesmas recordações.
Boas lembranças são marcantes,e o que é marcante nunca se esquece!
Uma grande amizade é uma dádiva, com que nem todos são comtemplados.
LR

zé disse...

Simples, bonito, objectivo...
Parabéns ao poeta!
E um abraço!

Elisete disse...

Embora não me identifique com o poema, é muito bonito. Obrigada pela partilha.

Virginia disse...

Hoje lembrei-me duma frase traduzida de Goethe, poeta alemão, que usei muitas vezes em cartões para amigos, no fim do ano para dar aos meus alunos e que me tem acompanhado em momentos menos bons.

" O mundo é, aparentemente um deserto; mas se souberes que alguém, mesmo longe, mesmo ausente, pensa em ti, o mundo torna-se um jardim habitado."

Será isto a Amizade?

Mário disse...

Não tenho aparecido muito porque tenho pouco tempo de Net e trabalho a mais, neste "Retiro", mas não posso deixar de dizer como acho a frase de Goethe bonita e expressiva.

A Amnistia Internacional desenvolveu sempre campanhas, desde a sua criação (curiosamente a partir do caso de um estudante português preso pela PIDE), no sentido de serem enviadas cartas a prisioneiros políticos - além das que se enviavam aos próprios políticos dos países em questão - mas apenas para dizer "penso em si", "tem o meu apoio", "não está só" - coisas assim, que a censura prisional deixasse passar, e que fizesse os prisioneiros de consciência saberem que"alguém, algures, tinha gasto uns segundos a pensar nele" - nas condições de prisão em que estavam, ainda por cima inocentes, o impacte deve ser muito grande.
Lembro-me de escrever a um turco. Mas devia ter escrito muito mais.

Mário disse...

PS: Elisete - não nos quer explicar melhor o seu descrédito (incredulidade, não sei qual o melhor termo,mas entende o que quero dizer) em relação à Amizade?

Anónimo disse...

Amigo é aquele que está Sempre "lá", mesmo que não pareça.
É aquele que, às vezes até nos dá "um puxão de orelha". Que nos alerta para "atalhos" por onde não devemos ir, mas que quando todos os outros "fogem" ele fica ao nosso lado.
Um beijinho da
Ana Paula

Elisete disse...

Quero, mas não aqui. De qq modo, eu tenho um grande amigo no meu irmão. Já passámos por muito juntos. É alguém que está sempre presente. Mas lá está, é meu irmão.
Qq dia, falamos. Aproveite o retiro (invejo-o) e bom trabalho (será o tal sobre o Bem e o Mal de que nos falou uns comentários atrás?)!