terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Martin Luther... dream

Hoje o Dia também é dele.

Ainda bem que há Homens que sonham. Porque a obra nasce.

Parabéns Obama, boa sorte. Parabéns Martin Luther-King, pelo sonho e pelo exemplo de vida.

6 comentários:

Virginia disse...

"I have a dream that one day my grandchildren will not be judeged by the color of their skin, but for the content of their character..."
Ainda hoje sinto um nó na garganta quando me lembro das minhas aulas sobre MLK , pondo os alunos ao ouvir uma cassete do discurso. Durante alguns segundos fazia-se o silêncio na sala, alguns lacrimejavam, eu fazia um esforço por não chorar e a voz do Homem ( Negro) ressoava nos nossos corações e transformava uma aula num lugar de culto.
Nunca haverá outro...God Bless Obama!

Catarina L disse...

No dia em que OBAMA ganhou, as minhas lágrimas correram em conjunto com todos aqueles que também estavam emocionalmente maravilhados.

Bem lá no fundo, todos tínhamos algumas dúvidas...

Lembro-me de estar numa conferencia (maioritariamente de presença masculina de quadros intitulados "superiores" ) onde cheguei com um sorisso e lancei a graça de um BOM DIA sonoro e alegre
em jeito de congratulação pelo facto único.

Obtive resposta com vários olhares desconfiados, e uma das pessoas com quem estava mais à vontade disse-me: - Catarina, nenhum "preto" pode gerir os USA por muito tempo.

I have a dream... God Bless Obama! And protect him.

Pat disse...

We too have a dream! Que este homem consiga realmente mudar alguma coisa, que o deixem mudar alguma coisa, vontade não lhe falta.
E quando um Homem sonha, o mundo pula e avança...
God bless Obama!

P.S.: Tenhoe stado a segui o programa da SIC, confesso que estou emocionada. Respira-se mudança, respira-se qualquer coisa de inovadora, sei lá, nem sei descrever. Pronto, sou uma emotiva!

zé disse...

We all have a dream that one day, inspite of the color of one man´s skin, we can live what we´ve been dreaming for a lifetime...
Agora peço à Professora de serviço aqui no Blog (Virginia) que corrija as minhas calinadas!:)
Abraços!

Mário disse...

Estive a ver um resumo do discurso de Obama - gosto da voz dele, forte, convicta, que até quase contrasta com alguma fragilidade física (magro, alto).

É evidente que um discurso deste tipo é de conveniência e circunstancial, mas gostei, pelo que ouvi, de algumas afirmações programáticas que parecem revelar uma viragem à esquerda, a clara definição da questão do Iraque e do Afeganistão, a guerra ao terrorismo mas o extender as mãos ao mundo muçulmano.
E outra coisa importante: as ditaduras árabes e africanas têm de cair por dentro, como aconteceu em Portugal, Espanha, Grécia, Brasil e tantos outros países. Só assim as democracias se tornarão estáveis e independentes.

Virginia disse...

Caro Zé,

Quem deu um erro fui eu . Judged escreve-se assim.
Aqui não estou como professora, mas como mera follower do blogue. Se quer que eu lhe corrija os erros que não dá, tem de me mandar o seu e-mail para o fazer em privado. Não é bonito estar aqui a dar aulas de inglês ;-)