quarta-feira, 25 de novembro de 2009

novas sobre a gripe

Para completar a informação com os dados mais recentes (incluindo o comunicado da DGS de 23/11):

- nas crianças de 2-10 anos, continua a ser preconizada uma segunda dose, por precaução, assim como nas pessoas com imunidade deprimida;
- foi afastada qualquer relação entre a vacina e a ocorrência de fetos-mortos;
- a vacina usada em Portugal é segura;
- é-se infeccioso entre 1 dia antes e 5 depois do início da doença.

12 comentários:

Pati disse...

Boa noite,
Obrigado pelos esclarecimentos que tem prestado, um verdadeiro "serviço público". O meu filho de 10 meses foi vacinado na passada semana, nessa altura ainda não me sabiam dizer se seria ou não necessária uma 2ª dose. Lendo este seu post, que apenas fala em crianças de 2-10 anos, fiquei na dúvida se já haverá recomendação para o grupo em que o meu filho se encontra, dos 6-24m.
Também a dosagem que está a ser utilizada, de 0,25 dos 6m aos 9 anos, independentemente do peso, vs os 0,5 a partir dos 10 anos, (foi a indicação das enfermeiras) não será já suficiente neste grupo etário? é que tendo 9kg ou 45kg a dosagem é a mesma...
Agradecida,
Patrícia B.

Marta Chorão de Carvalho disse...

Boa Tarde,
O Salvador levou hoje a tão temida (pelos pais) vacina da gripe A. Teve mesmo que levar e não tivemos grandes hipoteses, mas ficámos mais descansados quando soubemos que era mais que a favor. Agora é aguardar por possiveis reacções, já tomou benuron (antes nunca o faria, mas agora tudo é diferente) e irá tomar passado o intervalo das 8 horas.
No centro de saude perguntaram-me se queria já marca-lo para segunda dose, fiquei admirada...eu que já naõ queria dar esta dose agora tem de levar outra? Acho que saiu um comunicado em que os bebes e crianças de risco têm de levar segunda dose, ouviu alguma coisa? Como pediatra do Salvador o que aconselha?
Outra coisa, o Salvador não levou a Vacina VASP (julgo que seja assim que se escreve) aos 15 meses, porque na altura não podia por causa de exames e operação a todo o momento. Agora levou uma dose da Gripe A e possivelmente a segunda daqui a um mês e depois só passado outro mês é que irá levar a VASP (por ser vacina viva não a quero juntar com a da Gripe A). Com tudo isto só irá levar a VASP lá para final de Janeiro, ou seja, ele se tudo correr bem vai já para o colégio dia 3 de Dezembro. A minha pergunta e o meu receio são: Haverá algum problema em ele frenquentar a escola sem essa vacina (que sei que tambem é importante)? Para nós chega de complicações e agora andamos com algum receio de tudo, também porque os tratamentos mensais o deitam muito a baixo em termos de himunidade. Qual a sua opinião a estas questões e duvidas?
Beijinhos e obrigada.

Rita disse...

Olá Dr. Mário Cordeiro, sou uma mamã ilustradora que expôs no Esca em 2006. Tenho a minha pequenita de quase 2 anos e meio e toda esta doideira com a gripe A tem-me posto os cabelos em pé.
A minha irmã (mamã da sua pequena paciente Natália), em consequência de toda esta confusão, e para me apaziguar o espírito, enviou-me este seu espaço! Só lhe posso dar os parabéns pelo seu trabalho e pelo seu esforço por todos os esclarecimentos que aqui deixa. Se a classe médica olhasse mais para o lado humano como vejo que o Doutor faz, todos nós teriamos muito mais saúde, mesmo na doença :)
Beijinhos e obrigada

Mário disse...

Pati - a segunda dose é (ainda) preconizada em qualquer idade antes dois 2 anos

Marta - a VASPR é necessária, mas felizmente o sarampo, que é a doença mais temida delas, está erradicado de Portugal

Rita - obrigado, do fundo do coração.

Bruno Fehr disse...

"- foi afastada qualquer relação entre a vacina e a ocorrência de fetos-mortos"

Não, não foi, os resultados das autópsias foram inconclusivos e isso significa que não foi estabelecida relação entre vacina/abortos mas também não foi excluída.

Se tiver dados que refiram o oposto, seria óptimo se os revelasse.

Mário disse...

Foi.
Não há nenhum aumento na incidência de fetos mortos. Para lá disso, não há nenhum possível mnecanismo de causa-efeito que, eventualmente, pudesse explicar a ocorrância de fetos mortos.
É o mesmo que dizer que alguém apanhou a vacina e teve um acidente de automóvel ao passar um sinal contínuo numa curva a 200 à hora, e vir dizer que a vacina não foi excluída como causa do acidente. Ridículo, e próprio de um país com pessoas intelectualmente sub-desenvolvidas.

PM disse...

Boa tarde.

Escrevo este post porque já não aguento ler tanta idiotisse junta (neste tópico e principalmente no outro tópico sobre gripe A), tenho de explodir a minha indignação...

Sr. Bruno Fehr (e outros), o que eu ouvi sobre as autópsias dos fetos mortos foi de que era MUITO IMPROVÁVEL (em medicina não há certezas) que a morte dos mesmos fosse derivada da vacina. Não ouvi nada sobre resultados inconclusivos como o sr. faz querer.
POR AMOR DE DEUS,quem é o sr? O que faz? Qual a sua formação? Sim porque o Dr. Mário sabemos nós muito bem quem é e merece toda a nossa confiança e credibilidade. Pelo contrário, pelos comentários do Bruno depreendo que não tem qualquer formação. Desculpe, mas parece-me um autentico adolescente com espirito de contradição, ou então é mesmo muito sub-desenvolvido intelectualmente.

Por favor tenha mais respeito pelo Dr. Mário e pelo trabalho dele e não venha mais gerar um clima de desconfiança e instabilidade num blogue de uma pessoa que muito gentilmente dispende uma parte do seu dia (que acredito ser bastante ocupado) para atender as angustias e duvidas de muitos pais e maes.
Eu sou mae e tenho muito a agradecer ao Dr. Mário por nos dedicar este cantinho.
OBRIGADO DR. MÁRIO

Mário disse...

Obrigado, PM, pelo apoio.
De facto torna-se quase masoquismo aturar certas coisas. Mas não serão estes pseudo-argumentos que nos farão esmorecer.
Espero que esta rapaziada assuma depois as mortes ou handicaps pelos quais terão sido co-responsáveis, com a mesma ligeireza com que lidam com o assunto vacina.
E, como referiu, ainda não entendi qual a formação clínica desta gente... anda uma pessoa a estudar Medicina durante 38 anos para isto...

Ricardo disse...

Sra. PM se não ouviu falar nada sobre resultados inconclusivos, procure na TVI24, Correio da Manhã, Visão, IOL Diário, SapoPT, A Bola, Expresso... Realmente não percebo. Ainda por cima o Sr. Mário chama a isto pseudo-argumentos. Títulos de notícias são pseudo-argumentos?

Teresa Martins disse...

Ui... e desde quando é que títulos de notícias (sobretudo da TVI e Correio da Manhã) são argumentos válidos para alguma coisa??? Eu tenho vergonha da maior parte do jornalismo que se faz actualmente no nosso país. Salvo raras excepções, grande parte das notícias que ultimamente vemos, ouvimos e lemos, sobretudo neste caso da Gripe A,são tudo menos notícias. São textos que deixam as pessoas pouco esclarecidas, alarmadas e muito confusas... O pior é que estas notícias têm impacto no público e podem ter consequências graves...(veja-se o caso da vacinação das grávidas). É este o poder dos media.

Sara disse...

Desculpem o comentário, mas o que é que esta malta quer provar, que quem levar a vacina está condenado? Que eu saiba ninguém é obrigado a levar...
Eu estou grávida e já levei a vacina, com toda a tranquilidade... e tenho pena que por um mês a minha filha não esteja inserida neste grupo, porque sinceramente ficava mais descansada se ela estivesse vacinada. Sinceramente, quantas mais pessoas recusarem a vacina, mais sobra para quem a quer levar...
Obrigada Dr. Mário pelos seus esclarecimentos, tenho um dos seus livros que nuito me tem ajudado a "abrir horizontes" sobre como lidar com as crianças...
sara

Mário disse...

Obrigado, Sara e Teresa.
Por mim, continuo a advogar a vacina, de acordo com o que a DGS vai dizendo, não por subserviência (já estive muitas vezes em desacordo total e expressei-o) mas por considerar que é a política mais correcta.
Pena é que as grávidas não se vacinem - e que algumas morram ou tenham doença grave, e que alguns bebés nasçam prematuros. Quem se responsabiliza por isso?