quinta-feira, 12 de novembro de 2009

o nascimento de Nessie para a realidade


Foi a 12 de Novembro de 1933 que um académico e político ingês, Hugh Gray, fotografou pela primeira vez o que poderia ser o Monstro do Loch Ness.

Esta criatura mítica seria um descendente dos pleiossáurios, que teriam habitado a região. Se existiu não se sabe... mas pelo menos tornou o Loch Ness famoso.

Declarado extinto em 2009, o Monstro passará à História, a menos que "ressuscite" num qualquer outro lugar. Que se saiba, nunca fez mal a ninguém. Poor Nessie!

Mas vale a pena ficar com uma imagem do Loch, que mesmo sem Monstro vale a pena visitar.

5 comentários:

Filipe Snr disse...

Há já bastantes anos estive nas margens do Loch Ness que, num dia de sol, estava realmente esplendoroso.

Tinha a secreta esperança de eventualmente ver a Nessie e, durante todo o trajecto numa das margens do lago, não despeguei o olhar das àguas calmas e, nesse dia, muito azuis. Quase nem liguei ao que o meu amigo David (que conduzia) ia dizendo pois, realmente, eu queria era ver o Monstro.

A decepção foi grande e, depois, dei comigo a pensar com os meus botões: 'és mesmo parvo! Comportáste-te como um puto de dez anos...'.

Foi pena não ter visto nada (para além das magníficas paisajens)embora verdadeiramente soubesse que 'Ela' não existia...

Mário disse...

Estive muitas vezes na Escócia mas nunca foi ao Loch Ness. Todavia, além de Edimburgo (magnífico!) e Glasgow, visitei St Andrews (misterioso...) e os lochs e firthsdo lado oeste, incluindo a ilha de Isley e de Gigha (nesta, a corrente do Golfo proporciona um clima sub-tropical, e a vegetação inclui coqueiros e palmeiras!).

A Escócia é linda, e mantém a aura histórica e misteriosa dos tempos gaélicos. Vale a pena visitar!

Quanto à Nessie, Filipe, tenho de confessar que não a vi, porque não fui lá, mas comprei postais e uma Nessie de peluche... são tão boas estas fantasias!

catuxa disse...

Também passeei ao longo das margens do lago, com paisagens lindas, como em toda a Escócia. Concordo que vale a pena visitar, se possível, de carro, calmamente. Boa música, lindos trajes, muita história, mistérios e lendas, e gente muito simpática.
Também não consegui ver o monstro e vim de peluche, que ofereci à minha cunhada. Esses não vão desaparecer tão cedo... Trouxe ainda um livro muito giro chamado "Clans and Tartans".

Catarina disse...

Acredite-se ou não, quem lá vai tem sempre a esperança de ver a Nessie. Na minha maravilhosa viagem à Escócia parei no Loch Ness e apesar de saber que a Nessie é uma lenda etc., etc., sentia um nervoso miudinho e quando tive coragem de molhar a mão naquele lago de fundo negro, um amigo pregou-me um susto e gritou: “olha a Nessie” eu dei um salto e gritei….senti-me ridícula, afinal a Nessie não existe :-)

Gosto muito do seu blog.
Catarina Velez Grilo

Mário disse...

Obrigado, catarina
Os "lochs" têm algo de misterioso, como toda a Escócia.
Quando fui a St Andrews, apesar de ser conhecida pelos torneios de golfe, o que atraíu foi a Universidade, o mar e os descampados onde se podiam ver cemitérios "auto-organizados", como o que está dentro das ruínas do castelo. Andámos a ver as campas, com um dia cinzento e o loch negro, e às tantas vimos que a maioria delas tinha o nome Isabel, Isobel, Ishbel e Isbel, tudo sinónimos do mesmo. Pensei logo que, de repente, se levantariam uma data delas, encarnações da mesma personbalidade, forçosamente uma representante do lado negro do ser humano.
A Nessie de peluche que comprei serviu mais com um amuleto contra o mau-olhado...