quinta-feira, 6 de agosto de 2009

cenas de praia - 4


Morte em Veneza de Luchino Visconti
Dick Bogarde

5 comentários:

Anónimo disse...

Outro filme maravilhoso...e a música, meu Deus, levava-nos aos céus.

OOOOps tenho de ir apanhar o avião. Céus!

V.

Filipe Snr disse...

Fabuloso este filme do Visconti. À medida que vou envelhecendo, e sobretudo depois do meu 'acidente', que 'entro' mais neste filme. Em memória pois já não o (re)vejo há muito tempo. Vingo-me pondo, de vez em quando, um CD da 5ª sinfonia do Mahler no escritório enquanto trabalho (em casa, o meu aparelho deu o 'bafo').

Mário disse...

Vi-o por diversas vezes, e agora, quando estive em Veneza, andámos perto do teatro La Fenice, tentando imaginar a peste e o Bogarde, com o seu ideal de beleza máxima, inatingível, e por isso tão dolorosa, sobretudo quando a morte já se aproximava a largos passos.
Um filme que expressa a decadência, mas ao mesmo tempo o desejo e a prossecução de ideiais. Thommas Mann excedeu-se! E Visconti deu-lhe o toque.
Se fosse hoje, Visconti seria acusado de "promotor de pedofilia" e o filme execrado e queimado em praça pública pelas ex-primeiras damas de Portugal...

Huckleberry Friend disse...

Tive a sorte de ver este filme no grande ecrã, há cinco ou seis anos, quando o velho e degradado 222 era cinema de reprise.

Anónimo disse...

=E um filme que me lembra o nosso Pai. Ele adorou o filme, vi/o com ele, aquele come;o a chegar a Veneza con o nascer do sol no Grand Canale, um espect]aculo de luz e cor, esteticamente perfeito.