sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

30 anos...


Faz hoje trinta anos. Foi um momento único, seguido na televisão e nas rádios: a queda do I Governo Constitucional, na AR, com a votação unida da oposição da moção de censura ao governo de Mário Soares.

Agarrado ao televisor até altas horas da madrugada (em casa do Armindo Pinto, na Parede, com o Joaquim Catanho e o Luís Gaspar da Silva), lembro-me de sentir um misto de curiosidade, temor pela instabilidade que se avizinhava (novamente!), noção de que havia conluios políticos de ocasião, pena e tanta coisa mais.

Era o dia de aniversário de Mário Soares. "Caio, mas caio de consciência tranquila!". Afirmou.

Como quem o derrubou não tinha solução para novo governo, o PS voltou a formar executivo, desta vez com o CDS.

É História, mas tive o privilégio de seguir, avidamente, esses momentos tão "raros" na política portuguesa. Agora, se calhar, preferiria o Dr. House.

2 comentários:

paula vicente disse...

sendo eu uma leiga na politica, so poderei agradecer ao Sr. Mario Soares o que eu tenho de mais precioso.
Isso eu nunca me vou esquecer e irei sempre lembrar que foi o Sr. Mario Soares que nos deu o que todos ja se esquecerao
Muitos parabens
A minha liberdade nao tem preço por isso muito obrigado.
Tambem ja tive o enorme prazer de conhecer a sua esposa e com os olhos a brilharem de emoçao, dar-lhe uma beijinhos e pedir que agradece-se ao Sr. Mario Soares por mim

joao pedro santos disse...

Agora, se calhar, um episódio de Dr. House seria mais tentador (não o censuro - sou fã ad eternum da série) e é claro que é com um sentimento de culpa que afirmo que se calhar não há tanta paixão da parte "deles" hoje porque não há tanta paixão "deste lado".
Talvez depois seja mais legítimo exigirmos mais deles.

Abraço,
João Pedro