sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

ódio de estimação - 2

Nunca me fez mal. Nunca sequer falei com ele. Mais, acredito até que possa ser uma excelente pessoa, simples, humilde e afável.
Não tenho, ao contrário do que referi quanto às esfregonas (ver "ódio 1"), motivos especiais para corporizar no Fernando Mendes um ódiozinho pessoal.

Mas o que é certo é que algo nele me provoca urticária. O aspecto, a voz, o paupérrimo conteúdo dos concursos, a graça fácil e quase bacoca.

Um plano alimentar inteligente fá-lo-ia com certeza muito mais feliz, tenho a certeza, porque nenhum obeso gosta verdadeiramente de ser obeso. Mas também deixaria de pertencer à minha galeria de "odiáveis", valha a verdade...

De qualquer maneira, Bom Natal para ele! E se um dia decidir ter o peso equilibrado será melhor apresentador e terá uma auto-estima maior - "prometo!".

2 comentários:

manuel teixeira disse...

FILHO DE PEIXE... SABE ENGORDAR

Estou de acordo, no que se refere à imagem pública/televisiva do Fernando Mendes. Ele (o verdadeiro) até dizem ser um pouco diferente.
Mas o que creio ser mais odioso (de estimação) é a exploração de muito baixo nível que a RTP faz do 'gordo' cultivando na mente do espectador que 'os gordos' têem sempre que ser pessoas de humor fácil, bregeiro e sem nível. Porquê ? Lembram-se do pai dele, o Victor Mendes ?
Ao menos o Jô Soares conseguiu provar-nos que ser gordo não significa necessàriamente ser bacoco.

miguel disse...

Mário: embirro com gajos que apresentam programas para os quais ,olho e fujo. Mas admiro-os também, por isso mesmo: como é possível aguentar tanto tempo a fazer aquilo? apetência pelo dinheiro,seguramente, mas não só; também paciência, e muita, concerteza.

Quanto aos gordos típicos parece-me, ao contrário de ti, que revelam geralmente boa disposição, uma atitude calma e aprecem, basicamente, " de bem com a vida".
Ao contrário doa magros, nos quais me revejo, ao espelho e não só.