terça-feira, 21 de outubro de 2008

merda para o dono!


NOTA PRÉVIA: a frase que dá o título a esta Entrada é antiga, e diz-se a quem, insistentemente, apregoa sobre alguma coisa: "é meu, é meu!"
.

Falamos muito das pessoas que cospem no pavimento, nas que não separam o lixo ou atiram papéis pela janela do carro.

Mas que dizer dos porcalhões - não os cães, coitados - mas dos donos dos cães que deixam os seus animais fazer as necessidades onde quer que seja.


Pessoalmente, sou a favor de uma postura municipal que seja de uma intransigência feroz. João Soares tentou, com a campanha "Presentes do seu cão? Não, obrigado!". O resultado foi quase nenhum, porque muitos donos se estão nas tintas.

Vejo diariamente, no local onde resido. Os meus filhos incomodam-se e têm receio de ir brincar para a praceta ou para o relvado.

Respingamos com as pessoas, mas as respostas são sempre de sobranceria e quase ofensa. E os cães lá continuam a cagar a via pública com total impunidade dos seus queridos donos. Que diriam eles se eu pusesse os meus filhos a fazer as necessidades no passeio? Os riscos para a Saúde Pública eram, por acaso, até bastante menores.

Se eu fosse presidente da Câmara, juro que punha coimas elevadas, e nem que fosse através do ADN da caca do cão haveria de chegar ao dono e aplicá-las.

É caso para dizer. "Merda para o dono!".

Fotografias: MC

3 comentários:

sofia disse...

Nem de propósito! ontem, depois da escola, fui com o meu filho ao parque ao pé da nossa casa, por cima do Instituto Espanhol, no Dafundo. Há lá dois relvados grandes, muito bem arranjadinhos, com bancos de jardim a toda a volta e com o rio ao fundo. Lindo e óptimo para brincar. Acontece que brincar ali é impossível. Porquê? porque o relvado está cheio, completamente cheio de cocó de cão (e xixi, a avaliar pelo cheiro intenso). Depois de lá estarmos há 2 min. apareceram nada menos que 5 cães e 4 donos. A cena foi surreal: largaram os cães na relva, que correram e brincaram alegremente e eu e o Guilherme ficámos a ver, no pavimento, aliás também cheio de porcaria. A câmara municipal anda a gastar dinheiro com uma casa de banho de luxo para cães. O mais incrível é que os donos acham aquilo a coisa mais natural do mundo. Fiquei furiosa e vou reagir junto do departamento de espaços verdes da Câmara Municipal de Oeiras.

Virginia disse...

Aqui no Porto, acho que a consciência cívica tem aumentado - naõ sei como nem porquê. Onde moro é raro - muito raro ver dejectos de cão nas ruas, há limpadores todas as noites, o parque da cidade é uma beleza e pode-se sentar na relva em qualquer lugar, já não se cospe tanto para o chão como dantes era comum, penso que as pessoas estão a assimilar a limpeza como algo necessária ao bem e saude comuns.

Vivo numa zona privilegiada da cidade, é verdade. Mas constato com prazer que o dia-a-dia se torna bem mais limpo e saudável. Os meus netos não escorregam na m...a toda a hora. Mesmo na praia - onde estive anteontem umas duas horas, a areia é mais limpa do que dantes, nesse particular...

Anónimo disse...

Revolta-me isto dos cães. Por acaso também tenho um mas utilizo sempre os saquinhos apropriados para apanhar dejectos ( que a Câmara fornece in loco) quando o meu cão resolve deixar "um presente". Devo ser a única pessoa que o faz, pois apesar de haver os ditos sacos em todos os jardins, a caca está por todo o lado.Mas o portuguesinho é assim!...